30.9.10

A escolha foi tua, e agora estou a fazer a minha.

Hoje sinto e sei que tudo mudou. Sei que mesmo tendo perdido tempo, consegui acordar para a realidade bem a tempo, antes que me deixasses pior do que deixaste. Pensava eu, que te conhecia melhor do que ninguém, pensava eu. Afinal acho que nem tu sabes quem realmente és. Só fazes coisas que não só me magoa(ra)m a mim, mas que magoa(ra)m a ti também.
Falta-te a sensibilidade que antes achava que tinhas (e às vezes até demais). Eras tão diferente. Passaste de branco para preto num abrir e fechar de olhos. E para mim, esquece, já não és mais quem eras antes para mim. Tornas-te-te triste, uma mancha negra na minha vida. Essa mancha que foi aparecendo com o tempo tirando o lugar a uma mancha com todas as cores bonitas e coloridas que me fazia sentir viva no decorrer do meu dia.
Hoje se te encontrasse não veriam no meu olhar aquele que verias antes, agora era um lugar sombrio, o reflexo de toda o sentimento de raiva que deixas-te bem cá dentro.
Sentirias-te convencido que agora seria mesmo o fim, que não havia volta a dar e que para mim tinhas morrido. Que nunca mais te queria na minha vida e que não me daria vontade nem motivo de nem sequer falar contigo.
Verias em mim uma pessoa completamente mudada (para ti). Uma pessoa fria. E não aquela menina fofinha e simpática que antes falava contigo.
A escolha foi tua, e agora estou a fazer a minha.
Cada um tem o seu direito, certo?

26.9.10

No entanto, estás sempre aqui.

« E estas aqui, onde sempre estiveste desde que começamos a falar. Não me lembro do motivo que nos juntou, nem quais foram exactamente as primeiras palavras, sei que desde então estás aqui. Nunca fomos de falar demais, nunca contamos segredos no escuro da noite, nunca partilhamos histórias daquelas que nos fazem chorar. No entanto continuas aqui. E és, talvez, a pessoa que melhor me entende. Sabes do que falo mesmo quando eu pouco falo. Sentes o que eu escrevo e, eu embalo-me nas tuas palavras antes de dormir. Somos feitos da mesma matéria. »
Faz-me mesmo lembrar a melhor amiga!

18.9.10

DESAFIO - Décimo (& último) dia.

Uma confissão.
Confesso que às vezes tenho medo. Medo do passado se cruzar de novo na minha vida, que o presente não seja o melhor e que o passado não seja feliz. Confesso que penso muito dessas coisas, por mais que saiba que não devia de o fazer. Mas faço, é inevitável. Tem vezes que numa coisa simples faço uma tempestade. E que faço de um problema mínimo uma complicação gigantesca. Mas cada um é como é. E talvez no futuro estes medos e receios mudem e deixem de existir.

16.9.10

DESAFIO - Nono dia.

Dois smileys que descrevem a tua vida agora.
- :|
- ;)

15.9.10

DESAFIO - Oitavo dia.

Três coisas que tu gostarias de esquecer.
- De algumas partes da minha vida.
- Dos problemas que tenho com o meu pai.
- Que perdi duas pessoas que faziam parte da minha vida. (avós)
[Em breve responderei a todos os comentários.]

14.9.10

DESAFIO - Sétimo dia.

Quatro coisas que tu nunca esqueceste.
- Do dia em que conheci a minha melhor amiga.
- Das pessoas que foram importantes para a minha vida.
- O quanto a minha infância foi feliz.
- O desejo de vencer e sorrir para os problemas.

13.9.10

DESAFIO - Sexto dia.

Cinco pessoas que significam muito pra ti. (fiz antes coisas)
- A minha família, os meus amigos.
- Todos os meus sonhos concretizados ou não.
- A música, que é nela que obtenho toda a minha paz de espírito tal como a escrita.
- Este mesmo blog, porque através dele falo de momentos da minha vida e ainda tenho a vossa opinião e o vosso apoio.
- Todas as coisas que com o meu esforço consigo ao longo do meu tempo de vida.
Ps: E ao contrário do que os anónimos pensam, não é com comentários tristes que me vão fazer sentir mal.

12.9.10

DESAFIO - Quinto dia.

Seis coisas que tu gostarias muito de fazer e que ainda não fizeste.
- Fazer uma campanha com amigos e angariar fundos para ajudar as pessoas pobres e nós próprios ir dar tudo o que conseguimos a eles, pessoalmente, e ficar gravado na minha mente o sorriso que poderia aparecer nas suas caras e com isso, dar luta para continuar. (tenho fé que um dia consiga)
- Ir durante algum tempo para uma ilha paradisíaca e divertir-me como nunca.
- Fazer uma grande viagem com amigos.
- Arriscar mesmo quando parece não adiantar de nada.
- Ir ao México.
- Fazer todas as pessoas que gostam de mim, felizes.

Eu continuarei a caminhar, mesmo sem destino, sem um porto seguro.

Às vezes basta um sorriso, um gesto, uma palavra. Às vezes não precisa de 24 horas, sobre 24 horas de convivência. Por vezes uma ou duas, valem muito mais do que milhares de quais-queres horas banais. Mas gostava que finalmente não houvesse obstáculos, gostava que não houvesse nada a impedir. Parece que cada pessoa vem, mas nós nunca a conseguimos agarrar. Quando? Quando chegas? Quando voltas? OU quando vens pela primeira vez, dessa forma? Palavras ditas, significado completamente desnorteado. Desnorteado como eu. Sem saber bem o que sentir, o que dizer, o que fazer. Deixarei eu mais uma vez passar? Infelizmente tem de ser. Tudo impede. Tudo diz que não. Tudo, (quase) tudo. Tu nem fazes ideia, e acho que nem eu. Sinto-me demasiado confusa para me tentar explicar e ir buscar respostas às quais não as tenho, nem as obtenho por nada. Eu vi uma luz, eu vi como já não via há muito tempo. Será um sinal? Um sinal que estou viva e deveria de acordar? Que devia de dar tudo para conseguir mesmo quando nada bate certo? É de doidos, eu estou doida, anda tudo doido. Mas eu continuo, numa caminhada onde tu talvez caminhes também, ou talvez não. O destino não está determinado. Pelo menos para mim, para ti, para nós. Eu continuarei a caminhar e eu estarei aqui, para ti.

DESAFIO - Quarto dia.

Sete coisas que cruzam muito a tua mente.
- O meu passado.
- Momentos felizes que passei em criança.
- O quanto gostaria de ter a família toda comigo e que com a distância que tenho dela, não me esquecer dos nomes de muitas dessas pessoas, devido a ser criança quando estava junto deles.
- Pessoas que dei tudo para que hoje estivessem comigo e foram embora e algumas delas sem dar uma única explicação.
- O que serei no futuro, o que me tornarei, se vou construir uma família, ter filhos, se me vou ou não casar, se vou ter ou não a mansão com piscina, ou uma quinta que tanto queria ter.
- O quanto mudei ao longo do tempo.
- O quanto eu lutarei para ser feliz & fazer as pessoas à minha volta felizes também.

10.9.10

DESAFIO - Terceiro dia.

Oito maneiras de ganhar o teu coração.
1 . Uma das maneiras de ganhar o meu coração é sem dúvida alegrar-me quando estou mal.
2 . Apoiar-me nos momentos mais difíceis.
3 . Compreender-me sempre que necessito de compreensão.
4 . Ser querido(a) comigo.
5 . Estar sempre presentes, nos bons e maus momentos.
6 . Fazer-me sentir bem, especial, importante.
7 . Passar o dia a fazer brincadeiras comigo.
8 . Rir comigo.
& mais tarde, estarás no meu coração!

Mesmo que um dia de oculos escuros eu chore no teu ombro.

« O truque está em sonhar. O truque está em trocar mais um festival repetido por um fim de semana em paz.
O truque está em amar sem mostrar ser o que de facto não somos. É esperar ansiosamente pelo passo certo para o primeiro beijo, para o primeiro carinho e receber assim os olhares de fogo quente que nos refrescam e aquecem ao mesmo tempo. Sem rosas nem jogos impossiveis de jogar; sem querer matar o que nunca sobrou do passado; e assim, ofereceste-me a melhor coisa do mundo: um sorriso de verão. Um sorriso de paixão, de amor e principalmente de retorno. Um retorno que não trocava por mais nada; um pedido que não se fez ouvir mas que se fez sentir. Um gesto que não se notou mas que se espalhou pelas nuvens; uma forma de estar que nos leva a pensar que de repente há pessoas que se tornam mais importantes do que qualquer outra.
Dou por mim a pensar se isto não será mais uma partida estúpida do destino para que depois eu volte a cair na mesma apuração dos sentidos junto ao precipício, mas a verdade é que prefiro não pensar nisso, e passa-lo para o papel. (...)
Assim, antioxido este monte de sentimentos redondos e sei que vou ficar ao teu lado. Mesmo que um dia de oculos escuros eu chore no teu ombro. Mesmo que um dia o dia não seja tão claro. Mesmo que esta seja a verdadeira idiotice de um amor em segunda mão. Não te abraço, não sei quantas batidas dá o teu coração quando me vê ao fundo da rua, sentada no café do costume. »

9.9.10

DESAFIO - Segundo dia.

Nove coisas sobre mim.
Primeira - Nasci numa pequena aldeia até aos meus sete anos, depois vim para uma vila. (resta-me a cidade uhuh)
Segunda - Sou a pessoa que conheço que mais dorme.
Terceira - Ao contrário de muitas raparigas e principalmente da minha idade, não tenho paciência para pintar as unhas, andar nas compras horas a fio nem gosto de usar batom porque os meus cabelos colam todos nos lábios.
Quarta - Nas férias de Verão transformo-me a maior parte do tempo numa espécie de morcego. Fico acordada de noite e durmo de dia.
Quinta - Acho que fui feita a comer. Principalmente quando estou nervosa e quando estão para começar a escola.
Sexta - Sou fanática por olhos expressivos (e principalmente azuis, verdes, ou cor de avelã), ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh. (pronto, parei)
Sétima - Há uns tempos a trás tinha o sonho de ser modelo fotográfico. Mas meti na cabeça que não conseguia, sem nunca ter tentado porque sou muito pequenina (muiiiiito pequenina e estamos a falar de ser modelo) e nunca me considerei uma grande "coisa" uhuh.
Oitava - Sou extremamente tímida quando não conheço as pessoas, e extremamente tola quando me dão confiança.
Nona - Odeio acordar cedo e principalmente quando sei que o meu destino é apanhar chuva e o autocarro para a escola.

8.9.10

DESAFIO - Primeiro dia.

Dez coisas que tu gostarias de dizer a dez pessoas diferentes agora.
Mãe: És a pessoa mais importante da minha vida. Porque para além de mãe, sempre fizeste com que preenchesses o vazio de não crescer com um pai.
Irmã: És a minha pequenina sorridente. E dizer que não vivo sem ti, é a coisa mais sincera que posso dizer!
Melhor amiga: És a pessoa que mais confio em toda a minha vida. E também já não me imagino sem ti.
Luís: Não és um simples padrasto. É quem à 9 anos ( praí ) me cria e é como um pai para mim.
Pai: Não sei se algum dia te vou conseguir perdoar depois destes anos todos, mas no fundo eu só quero o teu bem e que sejas muito feliz. Com ou sem mim.
Sara: Apesar de só te conhecer à um ano, nunca te vou conseguir agradecer tudo o que já fizeste por mim.
Luíza: És o meu sorriso constante, e eu sou a tua caixinha de segredos! Palavras para quê?
Marisa: É a minha macaca desde à quase três aninhos. E sempre foste um grande pilar, obrigada!
Isabel: Apesar de ambas sabermos que não somos mesmo primas, pois és sobrinha do meu padrasto e não do meu pai, sempre nos consideramos como tal e sempre nos chamamos como tal. E quando te chamo de "prima" nunca penso em "ela não o é" mas penso sim " ela é a minha prima". E parece que já te conheço desde sempre e não de praí à nove anos para cá.
Marta: És a minha companheira das festas de Canedo, apesar de nos termos afastado, serás sempre a minha marida.
( Poderia falar de muitas mais pessoas, mas são dez. )

Dez dias sobre ti.

O desafio consiste em fazeres um post, todos dias durante dez dias em que digas o seguinte:

Primeiro dia - dez coisas que tu gostarias de dizer a dez pessoas diferentes agora.
Segundo dia - nove coisas sobre ti.
Terceiro dia - oito maneiras de ganhar o teu coração.
Quarto dia - sete coisas que cruzam muito a tua mente.
Quinto dia - seis coisas que tu gostarias muito de fazer e que ainda não fizeste.
Sexto dia - cinco pessoas que significam muito pra ti.
Sétimo dia - quatro coisas que tu nunca esqueceste.
Oitavo dia - três coisas que tu gostarias de esquecer.
Nono dia - dois smileys que descrevem a tua vida agora.
Décimo dia - uma confissão.

Encontrei este desafio no blog da Sarinha e decidi fazê-lo. Espero que gostem e fiquem a conhecer-me um pouco melhor. Quem quiser fazê-lo, pode perfeitamente levá-lo.

Eu quero desistir sabes?

« Lembras-te do primeiro dia? Eu lembro-me exactamente da data e da hora. Eram seis e tal da madrugada de seis de fevereiro e a minha cabeça já não batia muito bem da noite passada, o sono era algum e estava completamente à toa. Mas foi o teu sorriso. Foi o teu sorriso que me prendeu à tua imagem durante a viagem até casa no metro. E fiquei a pensar nele. Não sabia que já te conhecia de antes, não imaginava que ias meter conversa dias depois. Eu estava com a idéia de arranjar forma de te contactar, mas antecipaste-te. E não há ninguém que saiba o que senti durante aquelas manhãs, dias, noites, madrugadas, que se seguiram. Seja a falar de tudo, a rir, a aprender contigo, ou a partilhar o meu medo por aquela trovoada que teimava em não me deixar dormir. Foi preciso aquela chamada para me acalmar. E tu sabes que acalmou. Pensava que a cumplicidade era mútua, cheguei aquela fase em que sabes mas que ambos evitamos. Eu evitei porque sabia que não ia haver correspodencia, e tu .. Mesmo correspodendo preferiste deixar andar. E andou, mas não pelo caminho que eu queria. Não sei quanto tempo esse verbo se conjugou e não sei porque ainda hoje mexe tanto comigo. Eu só queria que voltasses a ser o que eras comigo. Já foram mil as tentativas de perceber porque está a ser assim, mas em nenhuma delas estiveste presente. Não sei porque só te lembras de mim quando calha ou estás mais irritado, sei que não é por mal mas não estou habituada a pessoas desprendidas emocionalmente comparativamente a mim. O que ainda não sabes, é que esta inquietação por um sinal teu já me persegue em sonhos. Acredita que não foi por falta de pedido de algum amigo que já tentei não por este assunto na cabeça. Mas está(s) sempre comigo. E quando sabem em noites que não estou bem, já só é preciso adivinhar do que se trata. Eu gostava que este assunto dormisse comigo e no dia seguinte ficasse retido no sono. Nem sempre as tentativas resultam e não vejo resultados em nenhuma delas. Eu quero desistir sabes? Quero desistir mas não quero que isso aconteça. Sei que nem metade destas palavras te vão fazer voltar, ao menos quero que as fiques com elas e as guardes, para não ter que repetir. E, só queria que soubesses.. Que todas as vezes que disse que te adorava, foram poucas. »
[ Este texto não foi escrito por mim.]
Música deste post: When You Look Me In The Eyes - Jonas Brothers.

7.9.10

É impossível tudo isto ter tido um prazo de validade tão pequeno.

« Não dá para explicar o que sinto neste momento. Já não estás cá da mesma forma, mudas-te e fizeste com que tudo mudasse num simplesmente segundo. Não quero entender os motivos nem as razões para tudo isto ter acontecido, mas eu cansei de tentar. Lutei para que as coisas não fossem como agora são, tentei fazer tudo de novo, mas nem as desculpas nem o arrependimento são sempre capazes de trazer algo que já se viveu durante meses. Porque é que dói tanto? Vivi, eu cresci contigo tal como tu cresces-te comigo, aprendemos tanto juntos, mas agora sim, neste preciso momento estás a deixar tudo a perder, não estás nem aí com tudo isto. »

Pois é, não estás nem aí, nem aqui. Estás num mundo longínquo onde eu não existo nem por um simples segundo. Aquele mesmo segundo que fez com que te esquecesses de tudo. Segundo esse que foi capaz de mudar tudo, mesmo tudo. Mas sabes, hoje não me importo, juro que não. Não me importo que tudo o que prometemos juntos, nunca se realize, nem que essas mesmas promessas não farão qualquer sentido daqui para a frente. Porque tu não és quem eu pensava, não és. E eu enganada ou não, pensei que fosses. E acreditava em ti sempre. Incondíssionavelmente. Sem nunca pensar em duvidar das tuas bonitas palavras. Palavras essas que hoje não passam de uma simples e bonita recordação que se estraga por pensar que nunca foram sinceras. Porque não podiam, apesar de ter tentado acreditar sempre que fossem, mas hoje vejo que não podiam ser, não podiam. O significado delas não poderiam acabar tão rápido como acabou. É impossível. Mas eu prometo que vou continuar a viver a minha vida sem pensar nisto, porque eu estou feliz na mesma.

Música deste post: Daniel Merriweather - Red.

6.9.10

Parabéns minha princesinha.

Parabéns pequenina *.*
Orgulho-me muito de te ver crescer dia após dia à 5 anos.
És a melhor irmã do mundo, e eu amo-te a cima de tudo.
Minha Maria João, 6 de Setembro de 2005.

5.9.10

... acho que no meio de tanta mentira eu ainda fui a única verdade que ouviste.


« Qualquer dia eu já não vou ter mais palavras para descrever tanta falsidade e hipocrisia da tua parte. Não me interessa para nada e já não te sinto mas para quem defende arduamente a fidelidade estás num caminho estranho e rasurado pela tua propria opinião.
A resposta ainda são as mensagens que recebo de uma miúda qualquer a quem fazes a cabeça, dizendo que eu sou a culpada e a maluca no meio desta historia.
O facebook tornou-se o ponto de encontro entre as gatinhas que andam perdidas atrás de ti; o meu número de telefone tornou-se publico entre gente que não pertence á minha condição.
Nunca tentei ser mais do que ninguém mas quando vejo estes panoramas ridiculos acho que no meio de tanta mentira eu ainda fui a única verdade que ouviste.
Nem todas podemos ser iguais; eu nunca vou chegar a horas a sitio algum e nunca vou andar com os pés direitos. Nunca vou falar devagar nem vou dar-te uma paixão imensuravel. »
[ Este texto não fui eu que escrevi. ]
Música deste post: James Blunt - Goodbye My Lover.

4.9.10

Onde andas tu, pedaço colorido?


Definitivamente não és mais a pessoa que conheci. Aquele ser humano capaz de tudo para não fazer ninguém sofrer. Capaz de dar um paço em frente sem passar por cima de ninguém. Desapareces-te, esqueces-te-te de ti próprio. Tornas-te-te outra pessoa completamente diferente... Meu Deus, só de pensar! Quem diria que tu, logo tu, ficasses assim. Quem diria. Se me dissessem eu não acreditava, mas felizmente ou infelizmente eu sei, porque eu própria vejo, não preciso que ninguém me diga. E eu posso confiar muito nas pessoas, mas mais do que confio em mim, não existe ninguém, porque quer queiram ou não admitir, nós próprios somos em quem mais confiamos. E eu realmente tenho pena, logo tu, porque não outra pessoa? Perguntas sem resposta existem sempre, infelizmente. E eu não sou diferente das pessoas que não tenho meios para responder. Adeus.




Música deste post: Lady Antebellum - Need You Now.

"Admiro-te a capacidade de perceberes quase tudo sem ter que te explicar quase nada."

« Fiz das tuas as minhas palavras e cumpri as tuas promessas, estive contigo em momentos que caminhavas só por não deixar que seguisses um caminho ao acaso sem mim, para te guiar e acompanhar, para te fazer ver que não carregaria sozinha a força deste amor. Sempre que estava contigo não olhava para trás, tinha a felicidade do meu lado. Eu sei que se o mundo der uma volta completa em segundos vai-nos pôr no mesmo lugar. Os homens raramente se explicam, e quando o fazem, fazem-no mal. Foi por isso que nem sempre percebi os teus sinais ou formas de entendimento. Desculpa. Por teres, muitas vezes, sozinho, aguentado as maiores e mais complexas crises da minha parte. Admiro-te a capacidade de perceberes quase tudo sem ter que te explicar quase nada. Percebes como me sinto e mesmo assim pedes-me humildemente para não te estragar o dia. Provavelmente já percebeste que tenho, muitas vezes, dúvidas em relação ao que sentes e ao facto de estarmos juntos, mas preferes que o tempo me guie no caminho certo, e respeitas as minhas hesitações. Com toda a calma. Não há dúvida que tu, com todos os defeitos que já tos apanhei sem perdoar, vales a pena. Sempre soube que as nossas diferenças iam servir para nos unir, e não para nos afastar. (...) Todos os passos que dei, somados, foram na tua direcção. Sabia que estava a ir pelo sítio certo, é pelos teus olhos que sei quando estou no fim da viagem. Quando olho para ti não vejo no que te tornaste. Vejo-te como sempre vi. Porque é certo e sabido que importa o que és quando estás ou não comigo, e não o que foste em tempos que não estavas na minha vida. Se pudesse acolhia-te todos os dias, noites em que te contava histórias e inventava-lhes o fim. Juntava-lhes a nossa e sei que era a única forma de nelas acreditares.O mito do Príncipe Encantado perseguiu-me durante anos, e agora é a tua imagem que lhe ocupa o lugar. Não há príncipes encantados, há homens que gostam, ou não de nós. E tu gostas, que eu sei. Amarei outros homens. Amar-te-ei em outros. Tu, todos. Mas não voltarei a dar à paixão palavras excessivas e perigosas. »
[ Este texto não fui eu que escrevi. ]

Música deste post: Kutless - Promise of a Lifetime.

3.9.10

Ser e não ser.


« Tenho a certeza de que pensas que eu não compreendo o que estás a passar, mas compreendo. Acontece que às vezes o nosso futuro é ditado por aquilo que somos, e não por aquilo que queremos. »
Diário da nossa paixão, Nicholas Sparks.

Às vezes tentamos ser uma coisa que não somos sem nos apercebermos. E só depois de nós cairmos, é que abrimos realmente os olhos. O mais cómico é que às vezes vivemos uma pessoa que não somos, sem nunca dar-mos conta e levamos demasiado tempo a aperceber-mo-nos. Será que ser aquilo a que lá no fundo não nos pertence, alguma vez vai dar bom resultado, vai levar-mo-nos ao encontro da felicidade? Muito dificilmente na minha opinião.
Sei que apenas tentamos ser melhores, tentamos dar aquilo que não temos e isso não é mau, é sinal que nos preocupamos... Mas não será preferível tirar as coisas boas dentro de nós, do que realmente somos e aproveitar-mo-nos disso? Porque toda a gente tem aspectos positivos, não necessitando propriamente de abdicar da sua pessoa, por outra completamente diferente.

Música deste post: Goo Goo Dolls - Iris.

DAR & RECEBER (quem sabe).





















Às vezes penso o quanto a vida muda de sentidos sem mesmo nós nunca dar-mos por isso. Hoje penso no passado, meu Deus, tudo mudou... As coisas boas que muitas das situações passaram a más, ou simplesmente passaram, foram-se. As coisas más que tiveram o seu lado bom e que deu para retirar coisas boas. E há aquelas coisas más que apesar de pela primeira vista não passar de nada, passou para tudo.
Penso eu, agora, o meu amanhã. Confesso que não gosto muito de pensar no futuro quando tenho o presente para traçar. Mas não posso dizer que não tenho curiosidade, se vou ou não ultrapassar os meus medos, os meus obstáculos, se vou conseguir ultrapassar as coisas da melhor maneira possível e acabar por tirar sempre as coisas boas da vida.
Apesar de não parecer, é difícil fazê-lo, nem sempre é fácil tirar um lado positivo onde só existe amargura e ainda aprender com isso... Para dizer a verdade, nunca é fácil. Só quem luta para ser realmente feliz, é que se apercebe desta essência... Caso contrário passaria-lhe ao lado.
E só ao pensar nas coisas boas que podemos tirar das coisas más, é que ainda luto. Contra tudo e contra todos. Porque no fundo quero ser recompensada. Quero ser uma pessoa capaz de lutar e sair vencedora. Capaz de ter forças e dar forças. Capaz de ser feliz e devolver a felicidade para quem precisa e merece. Capaz de DAR & RECEBER...
Ou simplesmente dar e não estar à espera de nada em troca.
Porque quando se dá, dá-se com o coração!


Música deste post: Lifehouse - You and Me.

2.9.10

Porque já não fazes sentido.

« (...) Sabes que em cada conversa que tenho, daquelas conversas em que cada um expressa tudo o que foi aprendendo com a vida, eu falo com o coração nas mãos, e tu estás lá, em cada palavra, em cada brilho dos meus olhos, e eu juro que nesse momento tenho uma vontade tão grande de te agarrar e trazer para o meu colo. Eu, que me agarrei a ter-te para dar cada passo, eu que sempre achei que te ia amar, dou por mim vazia, vazia de tudo, vazia de vida. E olha que há muito não sorria como sorrio agora, mas sabes, é outro viver, é outra forma de sentir. Aprendo, como uma criança que dá os primeiros passos. Foste tu que te quiseste ir embora, foste tu que me deixaste para trás, eu sempre te quis amar, sempre te imaginei a meu lado, e hoje, hoje obrigo-me a imaginar-me com outra pessoa porque tu já não fazes sentido, nenhum, zero. Era ridículo, era parvoíce continuar a ter-te, porque eu já não te amo, e sabes a maior conquista que eu tive nestes dias? Há tanta coisa que era tua e que me tocava o coração, que agora já nada me é, já não magoa como um dedo a tocar na ferida, já não arde. Sabes que quando isso me aconteceu pela primeira vez eu senti falta, falta daquele dor no coração a mostrar-me que ainda estou viva, falta de ti, de todos os pedaços teus que eu fui juntando ao longo do tempo. Mas agora já não preciso mais de ti... E hei-de voltar a escrever-te, tantas vezes, mas estás livre, estás solto como um pássaro, voa, o teu coração devolvi-to. Não sei se um dia voltarei para te fazer feliz, não sei se um dia me voltarás a amar,sei que desta vez te largo, e largo-te de forma tão suave que todas as coisas boas permanecem no mesmo sítio, no teu sítio... »
[texto não meu]

Tal como aqui diz, tu que fazias todo o sentido, fizeste com que tudo se reduzisse a zero. Tu que eras tudo, obrigaste-me a esquecer-te e agora não és nada. Felizmente, talvez. Assim não choro, com saudades tuas. Assim não me lamento por tudo o que aconteceu (de errado), não me tento martirizar que eu é que não fui capaz de te ter comigo. Desta vez não, desta vez sei que fiz de tudo, tudo para que ficasse. A ultima escolha foi a tua, e foi o afastamento/esquecimento. Mas peço-te uma última coisa, última e única (sem ser aquela que te pedia para não me deixares), não voltes... Não aguentarei passar por tudo outra vez.
[texto meu]

1.9.10

Carta da melhor amiga para mim.

1 # Carta para a tua melhor amiga

(antes de mais, esta é a carta mais importante, e faz todo sentido que seja a primeira desta longa lista, se não fosse, eu alteraria a ordem)


Minha Pimpolha,


Bem meu amor, ja te escrevi tantas e tantas vezes, mas nunca deixa de ter este gostinho especial. Sabes tão bem como eu, que são quase tres anos, quase tres anos desta amizade que sempre superou a distancia, que sempre foi capaz de ultrapassar tudo que aparecesse no nosso caminho. Uma amizade que nunca presenciou uma palavra mais falsa ou um momento menos especial ou que não ficasse guardado para sempre. So nós sabemos, so nós vivemos, so nós sentimos tudo isto!


Conhecer-te foi das melhores coisas que me aconteceu, e desde aquele primeiro dia (vinte e sete de Outubro de Dois mil e sete), nunca mais saiste da minha vida, e se naquela noite foste um apoio, o maior apoio que ja tinha tido, quando na realidade apenas me conhecias de vista, era por isto que temos agora, era "um sinal" que apartir daquele dia muita coisa iria mudar, muita coisa iria ganhar outro rumo, outro significado. Tu deste-me tudo que eu precisava naquele momento; mostraste o quanto eras perfeita. Com o tempo apercebi-me que o melhor que eu tinha feita, tinha sido confiar em ti, e vou puder sempre.


Podia descrever-te, dizer o quando es especial e diferente de toda gente que eu alguma vez conheci, podia dizer a felicidade que me transmites quando estas comigo, podia dizer o quanto as nossas conversas mais sinceras fazem a diferença, ou ate mesmo falar das vezes que choramos, que rimos, que choramos a rir juntas. Mas nada do que eu dissesse chegaria a um bocadinho que é na realidade.


Eu tenho mesmo muito orgulho em ti minha pequenina,porque sei pelo que ja lutaste e lutas diariamente enquanto tentas esconder de toda gente, esconder que afinal secalhar não estas tão bem como aparentas estar. Es lutadora como ninguem, e eu tenho a certeza que um dia vais ter a melhor recompensa por tudo isto que tens passado, e prometo-te mais uma vez que o Para Sempre, existira sempre, enquanto os nossos corações baterem juntos. Es linda, es perfeita, e nada nem ninguém vai mudar isto que construímos e vamos continuar a construir com a certeza que valera a pena.


Amo-te Hoje, amanha e sempre


Graça Alexandra Pinto Madureira , serás eterna! ☆


[ Quem não gosta que o nosso amor e entrega seja reconhecido como verdadeiro? Quem é que não gosta de receber e pensar "como consegui conquistar o coração desta pessoa, que a meu ver é perfeita"? Meu Deus, não tenho palavras. Adorei completamente a carta, mas ninguém consegue retirar toda a importância destas palavras sem ser nós as duas. Eu amo-te melhor amiga! ]